Quinta-feira, 16 de Julho de 2015

Verão é paixão, é cerveja, é bikinis e é abandonar o Piruças.

As pessoas abandonam animais. As pessoas pegam no seu animal de estimação e deixam-no para trás. As pessoas pegam no seu cão ou no seu gato e tiram-no do carro e arrancam.

Eu tenho de dizer isto de várias maneiras até conseguir interiorizar o que isto significa. É porque eu não tenho referência nenhuma do que será esse momento. Nunca vi. Não sei se é mesmo ingenuidade. Para vos ser sincera é como as pessoas que emagrecem a fazer a dieta dos hidratos de carbono, tu sabes que existe mas nunca viste realmente.

 

Estatisticamente, eu tenho de conhecer uma ou mais pessoas que já abandonaram um animal. Caso seja algum de vocês, quero aproveitar e desmistificar já aqui uma coisa: vão para o caralho. Vocês são um nojo de gente. Um certo tipo de humanos que me faz ter vergonha da espécie. Espero, do fundo do meu coração, que se no futuro, derem por vocês acamados num quarto que não é o vosso, rodeados de pessoas que não conhecem, a comer a mesma refeição semana após semana, com a fralda trocada a cada quinze dias: Parabéns, estarão a falecer num lar clandestino.

 

Há um mês, exactamente, estava a voltar para casa a pé com uma amiga minha, depois de um café ao fim da tarde, quando encontramos um bebé canídeo no pinhal, completamente sozinho. Pegámos imediatamente nele e trouxemos para casa. Ele não comeu as primeiras refeições, ele engoliu-as, ao ponto de me fazer sempre chorar. Como é que alguém deixa um cachorro assim? Nunca na vida que abandonariam esta maravilha. Não. Que estupidez. De certeza que está perdido. Informei cafés, bomba de gasolina, vizinhos. No veterinário verificaram que não tinha chip. Procurei cartazes afixados na vizinhança. Nada. Até que o dono de um dos cafés disse: "Ah, esse cachorro? Já está aí na rua há mais de uma semana!" COMO ASSIM? E ninguém o apanhou? Caramba, foi mesmo abandonado. Não acredito. Um mês passou e o Jorge Carlin (nome espectacular, modéstia à parte) é um cão encontrado. Muitas vezes nos quartos a roubar sapatos ou na dispensa a roer a esfregona. É um pequeno príncipe e não foi só a ele que lhe saiu a sorte grande, a nós também. Se bem que quando estraga os canteiros ou peças de vestuário, goste de o ameaçar que volta para o pinhal. Descansem, eu não estou a falar a sério e ele não percebe. É o mais próximo que tenho da ameaça parental "olha que vais para o teu quarto de castigo". O Jorge é a minha espécie de filho, sendo que já tenho um mais velhote, também encontrado debaixo de umas telhas numa obra. Tenho o telefone cheio de vídeos e fotografias dele e obrigo as pessoas a vê-las, quando vai à médica fico sempre nervosinha e adoro vê-lo brincar com os amigos que já fez. Sim, eu sou esta pessoa. Que nojo. Estou uma mãe autêntica. Como não sabíamos a data exacta do nascimento, a veterinária pô-lo a nascer dia 1 de Abril. Achámos graça, já que abandoná-lo foi uma autêntica partida de muito mau gosto. Claro que se vai portar mal. Claro que vai crescer. Claro que vou ter despesas. Mas faz parte da família, é um compromisso. Se tiver que abdicar de alguém mais depressa será o meu avô. *

 

Ontem li uma notícia que dava conta da quantidade de chiuauas que são abandonados por deixarem de ter, E ISTO É GENIAL, o tamanho correcto para as malinhas de passeio ao ombro. Que maravilha! Era bater-lhes com as bolsinhas cheias de betão armado na tromba. E hoje voltei a ver 4 casos de cães abandonados no meu feed de facebook…Acho, verdadeiramente, inacreditável. E as histórias que acompanham as fotografias surreais, também são surreais. Se o Allan Poe tivesse vivo, não conseguia escrever cenários mais assustadores que aqueles. Hoje foi de uma cadelita deixada no meio da rua dentro de uma caixa com a cabeça de fora. Chega a um ponto onde começo a achar que estes sociopatas estão em alguma espécie de concurso de criatividade de atrasos mentais. Agora fez-se luz, as pessoas não abandonam os seus animais. As pessoas abandonam a sua dignidade e a sua moral e a sua consciência.

 

Faço parte daquelas pessoas que gostava de ser rica para ter uma casa cheia de animais. E ser sócia de uma empresa de detergentes e ambientadores, também. Mas não os posso ter, como muitos de vocês não podem. Paciência. Podem sempre apadrinhar um animal de uma instituição (como esta que tive o prazer de conhecer a apadrinhar) e vê-lo e passea-lo sempre que queiram. Ter um ser vivo mas não ter as condições para ele ser feliz é como ver a Miley Cyrus arranjar namorado.

 

Ah, já que me ouviram até aqui e estão com a disposição certa, fiquem a saber que ter animais, especialmente crias, em lojas de animais é doentio e devia ser alvo de alguma atitude consequente como esta: http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT75563

 

image (4).jpeg

 

 

* ahahah. Estou a gozar. Eu já não tenho avô.

publicado por Cátia Domingues às 18:56
link do post | Aplaudir | favorito (1)
|
7 aplausos:
De saluttimundi a 17 de Julho de 2015 às 15:19
Fantástico texto e fabulosa atitude. Também sou mãe de patudo e revi-me em muitas das suas palavras.

Parabéns ao Jorge por ter encontrado uma família humana e parabéns a si por ter encontrado um "jorge" . Eu encontrei um "simão"
De Margarida Sá a 17 de Julho de 2015 às 17:32
Texto tão fabuloso que vou levar.
Sou "mãe" duas cadelas abandonadas, e tive uma outra que adoptei a uma associação. Tenho um coelho orelhudo que andava abandonado na rua e 3 gatos. Um deles está comigo há quase 15 anos, mais tempo que o meu casamento :) e outros 2 que adoptei a uma outra associação.
esta altura do ano deixa-me sempre triste com tantos animais abandonados.... que o faz devia um dia sentir o mesmo na pele....mas até lá faz sofrer Seres inocentes que só querem dar carinho em troca de mimo.
Beijinhos
De Mafalda a 17 de Julho de 2015 às 17:57
Genial.
Eu tenho uma Dita, a quem ameaço com um "queres voltar para a Cova da Moura, queres??" ;)
De paula botel a 17 de Julho de 2015 às 20:14
Vão mesmo !
De Rafaela a 17 de Julho de 2015 às 22:10
Adorei o teu texto. <3
Tenho quatro cães e uma gata. Antes destes, tive outros quatro cães e outros dois gatos. Perdê-los (morreram) foi das coisas mais dolorosas porque já passei. Os três primeiros quatro estavam comigo desde que eu tinha 1 anos, cresci com eles e eram família. Ainda hoje, uns bons sete anos depois, ainda me traz lágrimas aos olhos pensar ou falar neles.
A gata que eu tenho ainda é do tempo deles. Ela é uma parte de mim, desta casa e desta família. Não consigo imaginar um dia em que chegue a casa e não vá à procura dela, ou em que não a vá encontrar na minha cama, ou em que não esteja a fugir porque ela quer afiar as unhas em mim. Adoro aquela gata, e adoro aqueles cães, mais do que adoro a maioria das pessoas que eu conheço.
Abandonar um animal? Eu abandonava era, se pudesse, uma faca no peito dos desgraçados que o fazem.
Nada me deu mais gozo do que a criminalização dos maus tratos aos animais, apesar de ainda haver um LONGO caminho a percorrer.
De Sílvia Andorinha a 19 de Julho de 2015 às 05:57
Infelizmente há quem não saiba dar valor aos animais e os abandone como se não tivessem sentimentos. :( Mas também há o contrário! Há quem seja amigo, há quem esteja à procura do seu animal como eu estou à procura do meu Manchinha. Só quero que ele seja encontrado e/ou que volte depressa! A minha filha até fez um desenho do amigo. <3
De Anónimo a 23 de Julho de 2015 às 10:22
Muito bom ,concordo plenamente! ;)

Comentar post

.Existentialism

.subscrever para vossas casas.

.Agora também sou moderna.

.Bird is the word

.Espectadores

Free Web Counter
Web Counter

.Recent shows

. Desculpem o Transtorno.

. Nem o Portugal-Islândia m...

. Não é mais um texto de um...

. Isto não é uma crise de r...

. Verão é paixão, é cerveja...

. Eis como o casamento entr...

. Mas isto não é um profess...

. Voltei. Adeus.

. O que não te perguntaram ...

. O que não te perguntaram ...

. O que não te perguntaram ...

. O que não te perguntaram ...

. O que não te perguntaram ...

. "Gorda do Dia"

. O que não te perguntaram ...

. O que não te perguntaram ...

. Carta da Guerra

. Duas mil pessoas? UPPA, U...

. "Gorda do Dia"

. Não é preciso abortar par...

. "Gorda do Dia"

. Camões, partiste um mês c...

. "Gorda do Dia"

. "Gorda do Dia"

. O que não te perguntaram ...

. PPV, o culto que tem medo...

. "Gorda do Dia"

. Compromissos Comerciais:

. Compromissos Não-Comercia...

. "Gorda do Dia"

.Old shows

. Novembro 2016

. Junho 2016

. Fevereiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Dezembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

.My Theme Song

.tags

. todas as tags

.pesquisar

.links

.links