Quarta-feira, 30 de Julho de 2014

Carta da Guerra

Avô, escrevo-te da guerra a que vamos sobrevivendo aqui em baixo. Isto está bem pior do que quando te foste embora, o que me leva a concluir que foi por isso que piorou. Mas nada que me surpreenda, que eu bem que sempre achei que o Mundo era um lugar melhor porque tu existias nele.

 

Sabes, falo muito de ti, especialmente às pessoas que entraram na minha vida e que não te conheceram. Digo-lhes que és igual às outras pessoas todas, só que és especial porque me criaste e porque és meu. E elas acreditam, pelo menos as que gostam mesmo de mim.

 

Eu cá estou. Na mesma.

Ah, fiz anos entretanto, mas isso sabes tu. Nunca te esqueceste e até hoje sinto que nunca faltaste.

Estou a pensar em emigrar novamente, conhecer outras coisas, voltar a estudar. Mas depois conto-te melhor, ainda estou a matutar nisto. Há dias que me parece mais fácil, sabes?

 

Os tios estão bem também, pelo menos de saúde. A madrinha continua a dividir-se pela fábrica e pelas limpezas. Ter dois trabalhos começa a sentir-se nas pernas. Mas ela já tem a cirurgia marcada. Os médicos dizem que é uma coisa simples, mas já sabes que os nervos lhe dão para comer mal.

O padrinho teve de fechar a empresa e ainda está em casa. Não tem direito a subsídios mas mandaram-no fazer um curso de informática. O que alivia é a casa que foi ele que a fez e não precisa de pagar créditos ao banco, se não nem sei como era. A prima esmerou-se e ganhou uma bolsa para tirar o mestrado. Vamos ter uma mestra na família! Espero que aí em cima tenham babetes suficientes.

 

A mãe também está bem. Anda é muito cansada. Já são muitos anos atrás de um balcão desde as sete da manhã. As coisas no café não estão fáceis, é o IVA que está insuportável, é o IRC, é o gás, é a luz e a água e é não se poder aumentar os preços para não se perder a clientela. E não imaginas o que é que aconteceu no outro dia. Em plena hora de almoço, entrou a polícia e a ASAE pelo café a dentro, com um aparato digno de uma rusga colombiana. Quando ela me contou estava tão assustada e eu fiquei com tanta raiva que até chorei. Sabes, irrita-me, cada vez mais, o desprezo com que Portugal trata as pessoas que fazem dele país. E eu gostava de a ajudar mais do que tenho feito, mas já sabes como é que ela é. Não gosta de fazer mais nada. E eu não sei se deva obrigá-la ou não. Só a quero ver mais feliz, e compensá-la pela menos boa filha que cheguei a ser, e às vezes sinto que não sei como. Gosto tanto dela.

 

Bom, mas não me vou alongar mais. Sei que o teu tempo é eterno mas quero que aproveites para descansar.

 

Manda-me notícias quando puderes. Diz-me se Deus existe. Diz-me se morrer dói...ou diz-me só se também tens muitas saudades minhas. 

 

Fazes tanta falta.

 

Com amor,

Cátia.

 

 

P:S: No fim-de-semana, fui lá a casa e apanhei uma sacada de abrunhos. Este ano deram muito.

 

publicado por Cátia Domingues às 21:20
link do post | Aplaudir | ver aplausos (1) | favorito
|

.Existentialism

.subscrever para vossas casas.

.Agora também sou moderna.

.Bird is the word

.Espectadores

Free Web Counter
Web Counter

.Recent shows

. Carta da Guerra

.Old shows

. Novembro 2016

. Junho 2016

. Fevereiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Dezembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

.My Theme Song

.tags

. todas as tags

.pesquisar

.links

.links