Sexta-feira, 17 de Junho de 2011

Mãe, desculpa, mas quero ser criativa.

Mãe,

 

quero começar por te pedir novamente desculpa por estar a falar publicamente contigo. Tu que sempre detestaste intimidades em público, à excepção das palmadas que me davas quando fazia birras audíveis no supermercado por causa das Barbies e dos legos.

(Acredito que neste momento estejas a reviver todos estes momentos bonitos que tívemos, eu estou, e ainda consigo sentir o rabo incandescente daquela palmada certeira)

 

O que eu te quero dizer é isto: ( e vou dizê-lo sem rodeios, daqueles que eu tão automaticamente fazia quando te queria pedir alguma coisa, nomeadamente Barbies Baile-de-máscara, género cão de Pavlov depois de perceber que as birras não resultavam) EU QUERO SER CRIATIVA.

 

Ainda estás aí?

 

Ok.

 

Não mãe, não é bem isso. Quer dizer..sim mãe, tu sempre disseste que eu era criativa e que escrevia coisas engraçadas. Mas não é só isso. É uma Profissão a sério. Desde quando é uma profissão? Oh mãe, é uma profissão ponto. Tá bem, tu és engraçada e ninguém te paga por isso. Não estás mesmo a perceber.

 

Espera.

 

Ouve-me até ao fim e não me interrompas.

 

Sei que tu e o pai investiram em mim para tirar o curso de comunicação. Aprendi coisas, é certo. Tive uma boa média. Ajudaram-me a tirar uma especialização. A verdade é que o que eu gosto é de criar. E não precisava de um curso para isso. Claro que me ajudou a estar aqui hoje, mas só ‘efeito borboleta(mente)’ falando. E estou eternamente agradecida por isso. Também sei que contribuiu muito para o vosso descanso em relação ao meu futuro. Mas o que mais me ajudou mãe, foram os livros que sempre me compraram. Foi a playstation, que apesar dos meus amuos, não me compraram. Foi o telemóvel que só me ofereceram aos 15 anos. Foi a nossa televisão que só passava o telejornal. Foi o não terem tido mais filho nenhum e, sendo filha única, ter sendo criado infinitos amigos imaginários. Foi o terem aturado a minha idade dos porquês até hoje. Foi o me deixarem cair e picar-me para saber que existem quedas e que tocar no lume queima. Foram os ensinamentos do borda d’Água e do BBC vida selvagem da casa do avô. Foi o, desde sempre ter trabalhado atrás de um balcão, e me ter víciado em pessoas. Em Pessoa também. Foi o ouvir sons alternados entre fado e pimba. Foram os bolos de terra e as feridas de raspar nas árvores. Foi o ter avós analfabetos. Foi ter um pai e uma mãe que trabalham de sol a sol. Foi receber carinho de presente em muitos aniversários e natais. 

 

Esta profissão que escolhi tem uma formação que dura até hoje. Agora. Constantemente. Saber tudo de tudo. Uma pizza quatro estações de massa alta. É difícil, mas é tão bom. Não existe céu. É pensar...imaginar e superar-me, porque, como em tudo, vai haver sempre melhor e pior que eu. É não ter horário. É ter uma ânsia incessante de fazer acontecer. É onde a frustração e o egocentrismo se tratam por tu. É o equilíbrio das forças. É reconhecer que o chavão ’10% talento e 90% trabalho’ é uma certeza. É ter que aguentar muita coisa, é treinar a goela para sapos. É ser um dia bestial, outro besta. É ter o criatividade no coração e o lucro na cabeça. É ter os olhos no prémio mas as mãos na massa. É ter humildade para reiventar a roda. É agradecer as pessoas que, genuinamente, nos ajudam. É agradecer ainda mais às pessoas que nos lixam, reconhecendo que são elas que mais nos ensinam. É aceitar críticas. É trocar o crucifixo pela nossa fotografia e acreditar cada vez mais em nós. É saltar muitas vez ao dia de um avião sem saber se temos para-quedas, mas saltar na mesma nem que seja pela adrenalina que nos dá. É respeitar os quadradões, mas nunca deixar de tentar convertê-los. É ver os cabelos brancos que ganhamos como sinónimos de charme e sabedoria.É o trabalho de agência, é o fazer propostas, é o stress e as arritmias. É sentir a frase “Já foi feita” como um elogio. É meter o prazer à frente da remuneração. É aprender sempre e não ter medo de mudar. É enfrentar as nossas fobias e andar contra o relógio. É amar comunicação de todas as formas e feitios, aceitando as suas potencialidades e limitações. É ir limando as arestas das campanhas ao mesmo tempo que vou limando as minhas.

 

É não te conseguir explicar de forma perfeita a minha profissão, Mas querer ser mais aquilo que não te consigo explicar.

 

Tudo isto é um trabalho que se desenvolve todos os dias. E são estas as noitadas que faço na agência mãe. É isto que eu quero continuar a fazer, sempre, em qualquer coisas. Faço o que gosto,acordo todos os dias com as cordas do peito a vibrarem com briefings (há dias menos felizes, é um facto). Mas não há dinheiro que pague a sensação de ‘Eureka’, os olhos que brilham quando a ideia vai para a frente.

 

Percebeste?

 

Mãe, estás aí?

 

Mãe?

 

 

 (in Santos Populares @ Torke)

 

 

 

publicado por Cátia Domingues às 20:01
link do post | Aplaudir | favorito
|
6 aplausos:
De sofia a 21 de Junho de 2011 às 18:50
Cátia... respeito muito a tua profissão e a tua garra.
Adorei este post. Vais conseguir e vais conseguindo ;)
De Cátia Domingues a 21 de Junho de 2011 às 19:15
Obrigada pelo feedback e pela força Sofia :)
De Alexandre de Sousa Carvalho a 21 de Junho de 2011 às 21:44
=)
De Vanessa Quitério a 22 de Junho de 2011 às 17:09
Eish, se resultar com a tua mãe, eis que vou tentar com a minha :)

Ela também não percebe a luta diária (que é um gosto) em querer viver para a comunicação e um pouqinho dela :) De criar coisas diferentes, para fazer a ligação com o mundo que nos rodeia. Força. E depois dá feedback. Preciso de fórmulas para ver se não tenho a mesma pergunta feita todos os dias ao telefone: "então estás ai em Lisboa a fazer mesmo o quê?"

ahaha
beijocas
até já, qualquer coisa estou na secretária atrás de ti :)
De Filipe Gil a 1 de Agosto de 2011 às 10:38
Muito bom!
De Cátia Domingues a 1 de Agosto de 2011 às 11:54
Obrigada Filipe!

Comentar post

.Existentialism

.subscrever para vossas casas.

.Agora também sou moderna.

.Bird is the word

.Espectadores

Free Web Counter
Web Counter

.Recent shows

. Desculpem o Transtorno.

. Nem o Portugal-Islândia m...

. Não é mais um texto de um...

. Isto não é uma crise de r...

. Verão é paixão, é cerveja...

. Eis como o casamento entr...

. Mas isto não é um profess...

. Voltei. Adeus.

. O que não te perguntaram ...

. O que não te perguntaram ...

. O que não te perguntaram ...

. O que não te perguntaram ...

. O que não te perguntaram ...

. "Gorda do Dia"

. O que não te perguntaram ...

. O que não te perguntaram ...

. Carta da Guerra

. Duas mil pessoas? UPPA, U...

. "Gorda do Dia"

. Não é preciso abortar par...

. "Gorda do Dia"

. Camões, partiste um mês c...

. "Gorda do Dia"

. "Gorda do Dia"

. O que não te perguntaram ...

. PPV, o culto que tem medo...

. "Gorda do Dia"

. Compromissos Comerciais:

. Compromissos Não-Comercia...

. "Gorda do Dia"

.Old shows

. Novembro 2016

. Junho 2016

. Fevereiro 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Dezembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

.My Theme Song

.tags

. todas as tags

.pesquisar

.links

.links